//Supermercados do RJ proibidos de darem sacolas plásticas gratuitamente

A partir desta quarta-feira (15), todos os supermercados do estado do Rio de Janeiro não são mais obrigados a oferecer gratuitamente nenhum dos modelos de sacolinhas plásticas para seus clientes.

A determinação faz parte da lei que restringe a oferta de sacolas plásticas nos supermercados do Rio. Estima-se que, por ano, cerca de 4 bilhões de bolsas desse tipo são distribuídas no Rio de Janeiro. Isso dá uma média de 233 sacolinhas por habitante.

Segundo a Associação de Supermercados do Rio (ASSERJ), a meta é reduzir pela metade a distribuição de sacolas por ano.A primeira etapa da nova regra começou a vigorar em junho de 2019, quando os supermercados foram obrigados a substituírem as bolsas plásticas convencionais (produzidas com 100% de petróleo) por modelos feitos com 51% de material renovável.

A lei garantia um período de adaptação para os consumidores, que passaram a ter apenas duas sacolas grátis por compra. Em seis meses, um bilhão delas saíram de circulação.

Essa foi a maior retirada de circulação de sacolinhas no mercado brasileiro em tão pouco tempo. Isso corresponde a 25% do total disponibilizado por ano, de acordo com a Associação de Supermercados do Rio.

“Nós sempre acreditamos que o setor conseguiria mostrar sua preocupação com o meio ambiente. Temos a certeza de que podemos evoluir bastante nesse sentido. O primeiro passo já foi dado e o impacto gera resultados expressivos”, comentou Fábio Queiróz, presidente da ASSERJ.

De acordo com Queiróz, o hábito da população mudou com a chegada da nova legislação.

“A população passou a levar para o supermercado as sacolas retornáveis. Elas são muito melhores do que as sacolas com 51% de material renovável. A sacola retornável resolve o problema porque ela não usa nenhum plástico”, explicou Fábio Queiróz.