//Sítio de suspeito de fraudar licitações no RJ, é sequestrado pela polícia em Madalena

A Polícia Civil do RJ, com apoio do Ministério Público estadual e da Controladoria-Geral do Estado, deflagrou nesta terça-feira (12) uma operação contra empresários suspeitos de fraudar uma licitação de R$ 10,6 milhões para o governo do estado.

O esquema envolveu um edital para escolher uma fornecedora de papel (leia mais abaixo).

Quatro pessoas foram presas:

  1. Robson Silva Portugal
  2. Sthefany Alves Marques
  3. Valter Marques Filho
  4. Walter José da Silva, apontado como líder do esquema.

Emily Marques de Souza e Evelyn Marques de Souza não foram encontradas. Elas estão em viagem pela Irlanda.

Bens sequestrados

Equipes do Departamento de Combate à Corrupção e Lavagem de Dinheiro cumprem ainda 15 mandados de busca e apreensão e sequestraram bens dos denunciados.

Na casa de Walter, a polícia encontrou cerca de mil dólares e R$ 20 mil em espécie.

A Justiça determinou também o sequestro de uma lancha e de dois imóveis — uma casa em Angra dos Reis, na Costa Verde, e um sítio em Santa Maria Madalena, na Região Serrana.

Ofertas diferentes de um mesmo computador

Os investigadores descobriram que um grupo ligado a duas empresas ganhou, em 2016, uma licitação para fornecimento de papel para a Secretaria Estadual de Planejamento e Gestão do governo Pezão.

A polícia afirma que a quadrilha fez, de um mesmo computador, duas ofertas diferentes — porém combinadas — para o pregão.

A Operação La Casa de Papel é a primeira com mandados expedidos pela 1ª Vara Criminal Especializada do Crime Organizado do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro.

Os suspeitos vão responder pelos seguintes crimes:

  1. Associação criminosa;
  2. Falsidade ideológica;
  3. Fraude a licitação.