//Coleta de lixo em Macabu vira alvo de investigação pelo MPRJ

Tramita nas mesas do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) um inquérito para investigar um possível superfaturamento no serviço de coleta de lixo em Conceição de Macabu. A empresa que prestava o serviço foi alvo de operação policial no ano passado em Presidente Kennedy, no Espírito Santo. O empresário Marcelo Marcondes Soares foi preso na operação Rubi, tendo sido acusado ainda de pagar propina para celebrar contratos.

De acordo com o MP-ES, Marcelo fez acordo de delação premiada, e em parceria com o MP-RJ novas investigações estão acontecendo.

A empresa alvo chegou a executar contratos em Conceição de Macabu realizando coleta de lixo. Os contratos foram na ordem de 2,6 milhões de reais. Existe a suspeita de que acordos tenham sido feitos. Com a delação de Marcelo, novos episódios podem surgir.

Um levantamento feito pelo Portal Jornada no Portal Transparência do município de Conceição de Macabu, aponta aumento expressivo no valor dos contratos firmados pela Prefeitura para execução do serviço de coleta de lixo urbano. Em 2014 a prestação do serviço custou 863 mil reais aos cofres públicos, saltando para mais de um milhão de reais em 2018.

O Portal Jornada também fez levantamentos sobre a execução de contratos relacionados a destinação do lixo urbano do município. O contrato inicial celebrado com a empresa MTR Madalena Tratamento de Resíduos Urbanos, a qual o então vice-prefeito de Macabu teria gerenciamento até o ano de 2015, era de 450 mil reais no ano de 2014, saltando para 700 mil reais em 2019.